Pesquisadores do Instituto de Química da Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Araraquara, desenvolveram um novo método para medir a concentração de ozônio no ambiente. O ozônio é um composto tóxico para o homem, plantas e animais, que pode danificar diversos materiais, como borracha e corantes, e contribuir para o aumento do efeito estufa.

Portátil, mais barato e mais fácil de ser utilizado do que outros equipamentos existentes para essa função, o dispositivo começou a ser desenvolvido durante um projeto de pesquisa, realizado com apoio da FAPESP, e resultou em uma patente, depositada com auxílio do Programa de Apoio à Propriedade Intelectual (PAPI/Nuplitec), da FAPESP.

“Realizamos uma pesquisa sobre sistemas analíticos para determinação de ozônio no ambiente e vimos que existiam poucos métodos químicos para essa finalidade”, disse Arnaldo Alves Cardoso, professor do Instituto de Química da Unesp de Araraquara e autor do projeto, à Agência FAPESP.

“Com base nessa constatação, buscamos desenvolver, a partir do início de 2000, um novo método químico para determinação da concentração de ozônio em ambiente. O método é mais indicado para realizar medidas pontuais em ambientes internos, por exemplo, para as quais não vale a pena adquirir equipamentos eletrônicos existentes hoje, que são sofisticados e caros”, disse Cardoso.

O sensor desenvolvido é baseado na reação do ozônio com o índigo – corante utilizado na indústria têxtil para tingir tecidos, como o jeans, e na indústria alimentícia para conferir a cor azul anil a balas, chicletes e sucos em pó –, que, na presença do composto, se oxida e descolore.

Um filtro de celulose impregnado com índigo, em formato circular e com apenas 2 centímetros de diâmetro, é inserido dentro de uma seringa descartável de plástico com etilenoglicol – substância que aumenta a umidade do filtro e, dessa forma, facilita a reação do ozônio com a superfície do material.

A aspiração do ar por meio da seringa faz com que ozônio presente provoque a descoloração do índigo contido no filtro de celulose. Dessa forma, quanto maior a concentração de ozônio na amostra de ar coletada de um determinado ambiente, mais clara será a tonalidade do papel.

Inicialmente, o índigo restante ao final da amostragem era extraído e sua cor determinada por um colorímetro – equipamento que mede a intensidade de cores. Mais recentemente o método foi adaptado para fazer a leitura diretamente no filtro por meio de uma escala de 30 tons de azul, elaborada pelo doutorando Gabriel Garcia a partir de imagens digitalizadas de filtros contendo índigo e que pode ser impressa em qualquer impressora comercial.

Após algumas horas de duração do teste, a coloração final do filtro é comparada com a escala na qual cada intervalo corresponde a uma concentração de, aproximadamente, 3 ppb (partes por bilhão) de ozônio. Se a diferença entre a cor inicial e a final do filtro de celulose corresponder a 20 tons da escala, por exemplo, a concentração de ozônio na amostra de ar coletada será de, aproximadamente, 60 ppb – uma medida considerada alta.

“Por meio da tabela de variações de tons de índigo elaborada pelo Gabriel é possível fazer comparações visuais para saber qual a concentração de ozônio em um determinado ambiente”, disse Cardoso.

Comparações de equipamentos

Os pesquisadores compararam o desempenho do novo método químico com o equipamento utilizado por órgãos responsáveis pelo monitoramento da qualidade do ar – como o da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb), em São Paulo – para determinar as concentrações de ozônio na atmosfera em ambientes abertos. Para isso, usaram um equipamento semelhante ao que possuem no Instituto de Química da Unesp de Araraquara e que foi adquirido com recursos da FAPESP.

Os experimentos, realizados no campus da Unesp em Araraquara, revelaram que os resultados das medições feitas com o sensor químico foram muito próximos das realizadas com o equipamento eletrônico, que custa cerca de US$ 10 mil.

A diferença entre eles, no entanto, é que enquanto o equipamento eletrônico faz as análises e indica a concentração de ozônio em tempo real, o sensor químico, que custa cerca de R$ 400, fornece a concentração média de um determinado dia, após algumas horas de duração do teste.

“O sensor que desenvolvemos não substitui totalmente os equipamentos eletrônicos utilizados para medir concentração de ozônio na atmosfera”, ressalvou Cardoso.

“O equipamento eletrônico indica a concentração de ozônio no ambiente minuto a minuto e, dessa forma, possibilita observar variações rápidas. Já o nosso método permite observar se a concentração de ozônio em um determinado local está alta ou baixa e saber qual o valor médio”, comparou.

Por ser uma opção mais barata e portátil, segundo o pesquisador, o sensor pode ser uma alternativa para monitorar lugares distantes dos grandes centros urbanos – uma vez que o ozônio está deixando de ser um problema exclusivo das metrópoles – e ambientes internos, que também passaram a gerar o composto.

Como o ozônio possui propriedade bactericida, eliminando microrganismos da água e do ar e compostos orgânicos que geram odores desagradáveis, como o de cigarro, o gás passou a ser produzido nos últimos anos em uma ampla gama de eletrodomésticos: purificadores de ar, máquinas de lavar roupas e ventiladores, além de lâmpadas germicidas. Além disso, vem sendo misturado na água de piscinas, aquários e utilizado como desodorizante de ambientes e fungicida de grãos.

Dessa forma, os ambientes internos passaram a contribuir para aumentar a concentração e a exposição das pessoas ao gás, que, em ambientes externos, é formado na atmosfera a partir de reações químicas envolvendo a luz solar, óxidos de nitrogênio e compostos orgânicos voláteis emitidos na evaporação de combustíveis, dos escapamentos dos veículos e até mesmo pela vegetação, como florestas de eucalipto.

“O grande problema da geração de ozônio em ambientes internos é que ela será somada à produzida em ambientes externos e potencializará a concentração do gás no ar. E isso não se aplica só ao caso deste poluente”, afirmou Cardoso.

Falta de legislação

Outro problema apontado por Cardoso é que, enquanto há uma legislação bastante rigorosa em cidades como São Paulo para limitar a geração de ozônio em ambientes externos, de modo a não afetar a qualidade do ar, ainda não existem normas que regulem a geração do gás tóxico em ambientes fechados, a despeito do uso “doméstico” cada vez maior do composto.

Além disso, segundo Cardoso, ainda não se sabe exatamente a quantidade de ozônio gerada pelos eletrodomésticos geradores do gás e qual a concentração residual do composto em ambientes fechados após a utilização desses equipamentos.

“A falta de especificações técnicas desses equipamentos e de uma legislação que controle a geração de ozônio em ambientes fechados são problemas muito sérios que precisam ser discutidos”, afirmou.

De acordo com o pesquisador, os valores-limites de concentração de ozônio em ambientes fechados devem ser os mesmos estabelecidos pelos órgãos responsáveis pelo monitoramento da qualidade do ar para ambientes fechados.

No final de abril, a Cetesb, por exemplo, baixou um decreto estadual que reduziu de 70 para 50 ppb a concentração máxima tolerável de ozônio na atmosfera do Estado de São Paulo em um intervalo de 8 horas.

Em medições realizadas com o sensor químico em Araraquara, no entanto, os pesquisadores da Unesp detectaram concentrações de ozônio no ar de até 85 ppb e constataram que a quantidade do gás no ar da região aumenta no meio e no final do verão e durante o período da queima da cana-de-açúcar. “A queima de biomassa aumenta a emissão de compostos na atmosfera que favorecem a formação de ozônio”, explicou Cardoso.

Já na cidade de São Paulo, que possui a maior frota veicular do país, só em 2012 a concentração de ozônio na região do Parque do Ibirapuera ultrapassou 36 vezes a marca de 81 ppb, segundo dados da Cetesb.

“Apesar de os carros contarem com catalisadores, como a frota aumenta cada vez mais e, com o passar dos anos, a velocidade média dos veículos vem caindo, está se emitindo muito mais compostos para a atmosfera na cidade que provocarão a formação de ozônio”, disse Cardoso.

O sensor desenvolvido na Unesp já despertou o interesse de algumas empresas que trabalham com geração de ozônio, mas ainda não está sendo comercializado, em grande parte por causa da falta de legislação que estabeleça limites de geração do composto em ambientes internos.

Para facilitar seu uso em ambientes fechados uma alternativa já desenvolvida é um sistema em que pequenos filtros impregnados com índigo são colocados dentro de um recipiente aberto e, após algumas horas, retirados para analisar sua coloração e medir a concentração de ozônio. Neste caso não é necessária a utilização de equipamento para aspiração do ar porque o contato do ar ambiente com o índigo é suficiente para provocar a descoloração.

“O sensor ainda não foi comercializado para ser aplicado em ambientes fechados por falta de demanda de mercado. Mas, independentemente disso, temos buscado desenvolver métodos químicos que façam a determinação de ozônio de forma mais simples, barata e acessível”, disse Cardoso.
 
Pesquisa da USP pode revolucionar baterias de dispositivos móveis
Doutorando da Poli conseguiu diminuir tamanho das partículas de platina, item mais caro das células de combustível, o que pode levar à diminuição do preço
 
Material multiuso faz tudo em energia verde
O material é chamado de dióxido de titânio multiuso.
 
Clip-Air - Avião modular: de casa ao destino no mesmo assento
A cápsula do trem ou do ônibus é retirada, com você e todos os demais passageiros dentro, e colocada gentilmente no avião, que decola rapidamente
 
Revestimento passivo resfria prédios sob Sol quente
Os testes mostraram que o material alcança um resfriamento líquido acima de 100 watts por metro quadrado.
 
Bactéria mineradora substitui tratores e caminhões em mina de cobre
Métodos mais sustentáveis para a extração de cobre
 
Células solares de baixo custo aumentam a duração das baterias de celulares
O dispositivo deverá chegar ao mercado em 2014, com preços acessíveis.
 
Usuários consomem 450-900 vezes mais energia do que os centros de dados
Três fatores influenciam diretamente a relação entre o consumo de energia, os servidores e os computadores dos usuários
 
Brasil desenvolve chip de silício para leitura de fotodetectores
Contribuição para o monitoramento agrícola e pecuário, entre outras aplicações.
 
Filabot, uma máquina desktop que recicla sobras de impressoras 3d
Estudante de engenharia inventa uma máquina desktop que reduz o desperdício de plástico e protótipos de reciclagem.
 
NASA investe na produção de impressora de alimentos
O investimento do centro de pesquisa tem como meta poder levar a impressora para o espaço e os astronautas poderem imprimir suas refeições
 
Bateria líquida pode ajudar energia solar e eólica
As baterias líquidas, maior esperança da energia limpa, estão mostrando que vieram para ficar.
 
Hidrelétrica submersa guarda energia no fundo do mar
A tecnologia, que está sendo desenvolvida com o apoio do instituto SINTEF, do governo da Noruega.
 
Recarregamento de carro elétrico é feito em duas horas
Redução do tempo de carregamento de 8 para 2 horas.
 
eScience revoluciona a forma como se faz ciência
Também conhecida como ciência orientada por dados, a área de eScience integra pesquisas em computação a estudos nas mais variadas áreas
 
Como capturar energia diretamente das plantas
Esta nova abordagem pode um dia transformar o sistema inteiro usando sistemas de coleta de energia solar idênticos aos utilizados pelas plantas para aproveitar a luz.
 
Reciclagem de calor reduz consumo de energia em quase 30%
Sistema de retroalimentação que permite a recuperação do calor não-aproveitado e sua utilização para o preaquecimento do ar que entra no forno.
 
Um frigorífico solar para alimentos frescos em climas quentes
A Universidade de Cincinnati responde à escassez de alimentos com armazenamento refrigerado movido a energia solar para a agricultura.
 
Planta que brilha no escuro pode ser solução para iluminação sustentável
Os protótipos estão sendo desenvolvidos por um grupo de biólogos e engenheiros dos Estados Unidos
 
Ferramenta pretende aproximar pessoas e projetos de redução de emissões
Um novo website promete não apenas medir o dióxido de carbono (CO2) que cada pessoa libera para a atmosfera, mas também procurar formas de compensar essas emissões.
 
Venture Constrói o veículo elétrico mais rápido do mundo
Com a parceria da Universidade Estadual de Ohio, A Venture lança um novo programa Mundial de Recordes de Velocidade para Veículos Elétricos
 
Moinhos de vento que produzem energia (sem vento)
Quando as turbinas produzem mais energia do que a necessária na grade, a energia é usada numa bomba que é responsável por extrair áreas de água do mar.
 
Novo material para embalagem 100% reciclável e retira CO2 do ar
2,5 toneladas de CO2 são removidos da atmosfera por cada tonelada de produto final produzido.
 
Novo processo produz hidrogênio a partir de qualquer planta
O hidrogênio como combustível tem o potencial de reduzir a dependência de combustíveis fósseis
 
Missão da Nasa irá testar novo modelo de energia solar
A nova tecnologia de energia solar utilizada para a façanha, a Propulsão Solar Elétrica
 
Israelenses criam purificador de água movido a energia solar
O aparelho, que garantiu eficiência nos testes, deverá chegar ao mercado em breve, atendendo, principalmente, regiões carentes e de difícil acesso à água.
 
Brasileiros revolucionam fabricação de cimento
O novo processo industrial permitirá dobrar a produção mundial de cimento sem precisar construir novos fornos e, portanto, sem aumentar as emissões de gases de efeito estufa.
 
Isolante térmico feito com matéria-prima reciclada reduz em até 30% gasto de energia elétrica
O produto é uma boa alternativa para reduzir a conta de energ
 
Dispositivo transforma oxigênio em purificador de água, ar e alimentos
Purificador é cem vezes mais potente que o cloro. Aquário de São Paulo é cliente do empresário há 5 anos.
 
Célula fototermossolar aproveita luz e calor do Sol
100 vezes mais eficiente do que o primeiro protótipo.
 
Lataria de carros elétricos armazena energia
Elétrico na alma e no corpo
 
Brasil cria plataforma online para mapear sua biodiversidade
A ciência já registrou em território brasileiro 103.870 espécies animais e outras 43.020 espécies vegetais
 
Célula de fotossíntese artificial captura e armazena energia solar
Aumento no rendimento da energia solar em 10 vezes, e aumento na eficiência em pelo menos quatro vezes
 
Desenvolvido no Brasil Painéis Solares de Plástico, um avanço de Energia Limpa
Um painel com uma área superficial de dois ou três metros quadrados pode ser suficiente para gerar a energia necessária para uma casa habitada por uma família de quatro pessoas
 
Massa sustentável substitui argamassa convencional na construção civil
Uma argamassa polimérica que utiliza nanopartículas, especialmente desenvolvida para fixar tijolos ou blocos na construção de paredes
 
Gerador de pistão livre dá mais liberdade a carros elétricos
O motor de pistão livre com gerador incorporado agora será retirado de sua bancada de testes para se transformar em um protótipo para testes de campo.
 
De Nova York a Amsterdam, sete horas e 17 minutos de vôo usando biocombustíveis sustentáveis.
Vôo KL642, operado por um Boeing 777-200, voará cada quinta-feira alimentada por óleo de cozinha reciclado como parte da meta a transportadora holandesa
 
Grafeno, um material que multiplica o poder da luz
Na maioria dos materiais, um fóton absorvido gera um elétron, mas no caso do grafeno, vimos que um fóton absorvido é capaz de produzir muitos elétrons
 
Brasileiro é premiado por aplicativo que informa sobre alagamentos
Software que ajuda a identificar pontos de alagamento e a se locomover em segurança durante enchentes venceu desafio internacional proposto pela empresa Google.
 
Como a impressão 3D pode revolucionar a indústria de energia solar
Mais eficiente, menos complexo e mais barato, 3D células solares também pode capturar mais luz solar do que os modelos convencionais PV
 
Empresa acreana produz a única telha plástica reciclada e certificada do país
O produto vem sendo adquirido pelo Programa Minha Casa Minha Vida do governo federal no Estado do Acre
 
Biocombustíveis sustentáveis ​​ e a mudança do uso indireto da terra
Este artigo dá uma visão geral do desenvolvimento da política da UE para os biocombustíveis sustentáveis
 
Estudante alemão cria colheitadeira eletromagnética que reúne energia de graça a partir do ar
Estas colheitadeiras podem reunir energia de graça a partir de praticamente qualquer coisa, inclusive de linhas aéreas eléctricas, máquinas de café, geladeiras, ou mesmo as emissões do seu roteador Wi-Fi ou smartphone.
 
Nanotecnologia brasileira para remover poluentes radioativos recebe patente
O nanomaterial pode ser usado para remover poluentes metálicos e tóxicos, incluindo os radioativos, presentes nos efluentes industriais.
 
Novas tecnologias levam turbinas eólicas para o alto mar
Especialistas buscam soluções para a instalação de turbinas eólicas flutuantes, hoje limitadas apenas às águas rasas. Dois protótipos já estão em teste, mas ainda é cedo para saber quem vai ganhar essa competição.
 
Descubra os 9 melhores games sobre Desenvolvimento Sustentável
Uma seleção de jogos para melhor compreender a necessidade de desenvolvimento econômico sustentável. Nós aprendemos de uma forma divertida para melhor gerir os recursos de energia, reduzir as fontes de poluição e proteger o ambiente.
 
Painéis solares de alta eficiência usando uma nova película holográfica
Ao contrário de módulos fotovoltaicos de hoje, este sistema necessita apenas de uma fracção do material semicondutor
 
Tinta de soja: Mito e realidade
Tinta de soja é realmente uma boa escolha ambiental? Se assim for, é que poderia ser melhor? Este artigo é uma tentativa de lançar alguma luz sobre o assunto, explorando quatro mitos comuns sobre a tinta de soja.
 
Peixe robótico ganha desenho de avião para gastar menos energia
uma das principais exigências é que esses peixes robóticos sejam capazes de navegar de forma eficiente, sem gastar muita energia, preservando suas baterias.
 
Falta de legislação adequada barra produção de energia limpa
Muitos países possuem condições climáticas ideais para geração de energia renovável: sol, vento e água corrente em abundância. Mesmo assim, faltam investidores. O motivo: a legislação precária do setor energético.
 
Geração de eletricidade com vapor de água, novo material criado
Um novo tipo de filme de polímero foi criado para gerar eletricidade quando é exposto a vapor de água.
 
Pesquisadores da Universidade Politécnica da Catalunha desenvolvem "concreto biológico"
Sistema multicamada favorece o crescimento de organismos vivos
 
Baterias de trens eléctricos pode durar muito mais tempo, graças a nova pesquisas
Norfolk Southern Railway n º 999, que abriu há alguns anos, é a primeira da nação completamente elétrico
 
7200 Dispositivos de controle on-line, prontos para Hacking
2013 vai ser o ano de um ataque de grande utilidade, ou o ano em que a indústria se agrava com a segurança?
 
Plant-e, A partir de plantas, mais especificamente do seu processo de crescimento, pode criar-se eletricidade.
Células de combustíveis obtidas através de plantas microbianas
 
Pesquisadores Japoneses apresentam um novo tecido com células solares
O novo tecido é feito de finíssimas células solares entrelaçadas onde as pessoas podem alimentar os seus telefones celulares e outros aparelhos eletrônicos com a sua blusa ou calça.
 
Norte-americanos criam ônibus elétrico que é recarregado a cada parada
Pesquisadores da Universidade de Utah, dos Estados Unidos, criaram o Aggie Bus, um ônibus capaz de receber cargas elétricas sem precisar ser abastecido.
 
A Cheap Trick permite uma eficiente captura de carbono
Os investigadores estão agora em busca de maior eficiência energética e métodos de baixo custo, diz Bernd Epple / Universidade Técnica de Darmstadt, na Alemanha
 
Cubo Michael Jantzen Sun Altered
O Sun Altered Cube é parte de uma série de estruturas já concebidas, que exploraram formas inusitadas em harmonia com o ambiente natural.
 
Nanoestruturas triplicam a eficiência de células solares orgânicas
Dispositivos baratos e flexíveis de plástico que muitos cientistas acreditam que pode ser o futuro da energia solar.
 
Livros são produzidos com certificação e uso de plástico
Produção de livros certificados vem crescendo de 20% a 30% ao ano. Papel sintético leva na composição 75% de embalagens descartadas.
 
Uma garrafa de água que extrai água do ar
Nanotecnologia que é capaz de extrair água do ar mesmo em regiões de seca extrema.
 
Transformando plátisco velho em petróleo
Este sistema de base é capaz de converter aproximadamente 10 toneladas de plástico em cerca de 60 barris (ou cerca de 2.400 galões) de óleo por dia.
 
Técnica norte-americana transforma plástico velho em novo combustível
A técnica consiste em transformar o resíduo velho em um novo combustível de alta qualidade.
 
Nova Tecnologia Daylight Pipes em quartos sem janelas
luz natural para espaços sem janelas, através de uma série de tubos de alta tecnologia, sem ganho ou perda de calor.
 
Inovações tecnológicas do futebol ganham destaque na Soccerex
A Microsoft vai instalar aceleradores de negócios dentro das arenas para gerir uma novidade nos estádios brasileiros: o multipropósito - para dar lucro e se se tornarem negócios sustentáveis, eles servirão não apenas para o futebol, mas também para s
 
Electree+, carregador solar inspirado em um Bonsai é lançado no Kickstarter!
Com apenas 16 centímetros de altura, o + Electree pode caber em quase qualquer lugar que você precisa para adicionar um toque de decoração e está disponível em várias cores diferentes.
 
Greenpeace questiona o verde das nuvens
As tentativas de várias empresas para retratarem suas nuvens como inerentemente "verdes" tem diminuído, persistindo a falta de transparência e métricas muito pobres para medir o desempenho ou o impacto ambiental real
 
Novas tecnologias energéticas para futuro
Em três estudos publicados na edição atual da Tecnologia e Inovação - Proceedings, da Academia Nacional de Inventores , inovadores revelam tecnologias criativas que podem mudar as nossas fontes de energia, mudar a nossa utilização de energia e mudar
 
Nanopartículas - fazendo vapor sem ferver a água
Um novo truque poderia reduzir a energia necessária para muitos processos industriais e tornar a energia solar térmica muito mais barata.
 
Pesquisa mostra que podemos alcançar em espécies marinhas exatamente o que já fizemos em espécies de água doce
Biólogos da Universidade da Califórnia San Diego demonstraram pela primeira vez que a alga marinha pode ser tão capaz como a alga de água doce na produção de biocombustíveis.
 
Cambridge Solar Tool
O Mapa mostra para as empresas e proprietários de imóveis o quanto de eletricidade podem ser produzidos...
 
PARQUE VILLA-LOBOS TERÁ USINA DE ENERGIA SOLAR
Projeto pioneiro a ser instalado no parque da zona oeste em julho de 2013 será um experimento para o uso da energia fotovoltaica no abastecimento urbano; a usina vai custar R$ 13,3 milhões e entrará em funcionamento em dezembro do ano que vem
 
Telhas plásticas coloridas e sustentáveis são apresentadas no Amazontech
O plástico, quem diria, está deixando de ser vilão ambiental e se tornando alternativa para projetos de construção sustentável.
 
Seis extraordinários projetos de design, de interesse público são homenageados com prêmios SEED
Sessenta e cinco representantes de 21 países apresentaram seus projetos no International SEED Awards
 
Turbina eólica gigante sobre rodas pode ser instalado em qualquer lugar
É perfeito para gênios do mal, com uma consciência de energia limpa, para criação de suas bases remotas, ou para o apocalipse zumbi pós-vida.
 
Primeira célula solar do mundo construído apenas de carbono
Cientistas da Universidade de Stanford desenvolveram a primeira célula construída apenas de carbono, um material muito mais abundante e barato.
 
Especialista em biodiesel explica como futuras inovações poderão ajudar a perceber o potencial completo de algas biocombustíveis
"Biocombustíveis de algas não estão prontos para o horário nobre", disse o membro do comitê NRC Joel Cuello
 
Resíduos de esgoto são utilizados na indústria de papel e plástico
O esgoto já está sendo transformado em matérias-primas utilizadas por indústrias de papel e de plástico ao redor do mundo, graças a uma inovação.
 
Criada célula solar com uma única molécula
Pesquisadores alemães construíram uma célula solar molecular, formada por uma única proteína fotossintética.
 
Bola transforma chutes em energia
Eles criaram a sOccket, uma bola que tem a capacidade de gerar energia a partir dos chutes dos jogadores.
 
A Sharp desenvolveu painéis solares para janelas e varandas
A Sharp fabricante japonesa, anunciou esta semana a chegada do que espera ser o material de construção mais comum e revolucionário para janelas e painéis solares.
 
Sensores de medida de estresse hídrico em plantas otimizam o manejo da irrigação
A implementação deste novo sistema teria um impacto positivo sobre a eficiência da produtividade do uso da água e a qualidade de produção da indústria de frutas.
 
Energia Eólica de Alta Altitude, um enorme potencial
Uma série de empresas iniciantes estão explorando maneiras de aproveitar a enorme quantidade de energia eólica que flui ao redor da terra, especialmente em altas altitudes.
 
Embalagens sustentáveis vão além da capacidade de reciclar
O ato de projetar produtos em prol da sustentabilidade é tecnicamente possível. Para que isso ocorra são necessárias mudanças de comportamento e alterações nos padrões da sociedade
 
A Siemens desenvolveu as mais eficientes pás eólicas para turbinas, baseada em dinossauros!
No passado vimos turbinas eólicas inspiradas em barbatanas de baleia e espécies de árvores, mas agora os designers estão olhando para espécies animais extintas para criar a próxima geração de turbinas.
 
Sub-pavimentação painéis podem armazenar energia 'invisível'
O produto consiste em painéis ThermaPAVER hidrônicos térmicas localizadas sob lajes comuns, que utilizam a energia do sol para aquecer a água.
 
Silent Falcon
Um avião alimentado por energia solar que é capaz de permanecer no céu por 14 horas
 
Geoengenharia para esfriar a Terra seria menos dispendioso do que o esperado
De acordo com sua pesquisa, combater alguns dos efeitos da mudança do clima poderia custar USD $ 5.000 milhões por ano.
       
Portátil, mais barato e mais fácil de ser utilizado do que outros equipamentos existentes para essa função,
 
Por:Elton Alisson
Fonte:Agencia Fapesp
Data:12/07/2013
 
Sensor químico indica concentração de ozônio no ambiente