BARCELONA - As estimativas são da Organização das Nações Unidas (ONU). Todos os dias, cerca de 200 mil pessoas passam a morar em áreas urbanas em todo mundo. Até 2050, as cidades deverão concentrar 70% da população do planeta, índice já superado pelos países da América Latina e Caribe, regiões com maiores percentuais (80%). Tantas pessoas num mesmo lugar trazem enormes desafios, muitos deles comuns para brasileiros, mexicanos, colombianos: uma grande pressão por consumo de recursos naturais, que são finitos, e um aumento diário da demanda por serviços.
A imagem ao lado representa bem as consequências desse cenário. Criada pelo artista catalão Francesc Palomas, a aquarela de uma cidade superpovoada retrata um lugar com muita poluição, excesso de veículos, congestionamentos, poucas áreas verdes, produção abundante de lixo. Uma região urbana que incorporasse os preceitos de uma cidade sustentável deveria ser também mais verde e menos poluída. É um lugar mais agradável para se viver, como mostra a ilustração da próxima página, do mesmo artista.
Mas como transformar essa cidade imaginada em realidade? Apesar da crise econômica mundial que se arrasta há anos, uma série de instituições públicas e privadas, além de organizações não governamentais, têm apostado na tecnologia para encontrar soluções inovadoras no caminho do consumo racional de energia e água, gestão do trânsito, redução de CO², coleta de detritos e uso de transporte sustentável. São as chamadas cidades inteligentes.
Embora a tecnologia da informação seja uma das principais características na gestão das cidades inteligentes, especialistas, prefeitos e cientistas sociais têm defendido a necessidade de o uso dessas ferramentas promoverem ambientes colaborativos. Aparentemente simples, a proposta tem um efeito bastante significativo. Muitas soluções para os problemas locais dependem das informações que os próprios moradores têm acesso - ou podem gerar para as prefeituras - através, por exemplo, dos seus celulares.
- Cidades inteligentes não são apenas municípios dotados de infraestrutura tecnológica, mas aquelas que buscam ações coordenadas que facilitem o acesso dos cidadãos aos serviços e ao conhecimento. Sem essa preocupação, investir apenas em tecnologia pode resultar num grande gasto em equipamento, mas em pouco ou quase nenhum retorno social e econômico para a população - observa Tim Campbell, autor do livro "Além das Cidades Inteligentes" e presidente do Urban Age Institute, ONG com sede em Berkeley, nos Estados Unidos.
Com a medida que envolve a participação, Amsterdã faturou o prêmio principal do II Congresso Mundial de Cidades Inteligentes, realizado em Barcelona, em novembro. Todo o sistema de trânsito da cidade holandesa foi aberto para pedestres e motoristas, que agora podem acompanhar por seus smartphones qual é a melhor opção para se locomover no município, em especial com o uso das bicicletas. Iniciativa semelhante já existe em Barcelona, na Espanha. Lá, a população pode visualizar num mapa digital a localização exata do trem, táxi, metrô ou ônibus que deseja utilizar. Tudo por um aplicativo instalado nos celulares.
Em Águeda, Portugal, a prefeitura criou uma série de serviços pela internet e iniciou um projeto de incentivo ao uso compartilhado de bicicletas elétricas. A ideia surgiu por uma questão topográfica. O prefeito da cidade, Gil Nadais, conta que as ruas do município português são muito íngremes, o que dificulta o uso da bicicletas tradicionais:
- Com a abertura dos dados nos aproximamos da população e incentivamos o envolvimento dos moradores com os demais projetos.
Além de permitir o acesso ao sistema de trânsito, a administração de Seul tem apostado agora na troca de informações por meio digital com os moradores. O objetivo é identificar o mais rapidamente possível as demandas da população.
- O nosso modelo consiste em ter capacidade de predizer os acontecimentos que afetam a vida das pessoas; saber o que está acontecendo no exato momento; e dar respostas precisas às demandas - explica Jong Sung Hwang, assistente do governo metropolitano de Seul.
Sensores no celular
Exemplos de incentivos à colaboração acontecem também nos Estados Unidos, no México e em Israel. Em Boston, a administração local convidou a população a usar um aplicativo nos seus celulares que é capaz de monitorar o estado de conservação das ruas. O equipamento permite que as trepidações sofridas pelos carros durante o percurso gerem informações online para a prefeitura. Tudo é apresentado num mapa na internet e, depois, é disponibilizado aos moradores.
- Com essas informações sabemos rapidamente onde há problemas nos quais precisamos atuar - explica Nigel Jacob, gerente do escritório de novas tecnologias urbanas da prefeitura de Boston, nos Estados Unidos.
A administração de Haifa, em Israel, tomou uma decisão radical: zerar o uso de papéis nos processos de licença urbanística. Tudo foi digitalizado e está disponível ao cidadão. A medida foi tomada em 2008 depois que a prefeitura notou um declínio nas licenças para novas construções. O principal problema detectado era a burocracia para obter os documentos. Caso parecido ocorreu na cidade mexicana de Zapapon. A prefeitura reuniu 600 moradores e, após três meses de muito trabalho, elaborou um mapa em 3D da cartografia da cidade. Todo mundo sabe onde estão e quais são as construções irregulares, e onde é preciso haver intervenção.
Se existe ainda distância considerável entre a realidade dos grandes centros urbanos e a ideia de uma cidade de fato sustentável, iniciativas urbanísticas, associada ao uso de tecnologia, têm mostrado que é possível mudar o modo de vida em alguns lugares. Na Espanha, foi construída, em Zaragoza, uma EcoCidade, que procura seguir os princípios estabelecidos pelo Protocolo de Kioto, isto é, baixa emissão de gases poluentes e uso racional de recursos naturais.
O bairro de Valdespartera começou a ser erguido em 2002 e foi concluído seis anos depois, num antigo terreno militar. O projeto foi possível graças a uma parceria público-privada que investiu cerca de R$ 3 bilhões. Com 243 hectares e 9.687 apartamentos, a EcoCidade espanhola é toda administrada por sistemas de informação online. O Wonderware permite ao centro de controle tomar uma série de decisões como regar as áreas verdes de acordo com as condições de temperatura e a umidade relativa do ar.
O sistema de informação, que custou cerca de 0,26% do investimento total do empreendimento, permite também controlar à distância o consumo de energia e gás das residências. Desde que foi criado, o bairro de Valdespartera mantém um consumo de energia entorno de 0,06 kw/h por m², quase metade do registrado na Espanha (0,11 kw/h por m²). Além do monitoramento do uso da energia, a EcoCidade faz coleta seletiva de resíduos, que são levados diretamente para a reciclagem.
- Entendemos que a sustentabilidade urbana é baseada no conhecimento e na possibilidade de verificação dos dados em tempo real. Assim podemos tomar medidas com maior poder de precisão - explica o administrado da EcoCidade, Miguel Portero.
Embora a experiência em Valdespartera tenha chamado a atenção de urbanistas e instituições preocupadas com o futuro das cidades, Portero defende que modelos como esses sobrevivem exclusivamente se tiverem o apoio da população local:
- A ideia de cidade inteligente não deve, é claro, ser limitada à análise de dados para a tomada de decisões estratégicas. É preciso estar atento também às demandas da população para que ela sinta e perceba que há feedback do administrador. Portanto, o cidadão é o centro entorno do qual a cidade inteligente deve ser organizar.
O foco nas cidades sustentáveis pode ajudar municípios que não têm apresentado bons desempenhos no "Índice de Prosperidade das Cidades", produzido pela agência Habitat da ONU. O indicador, que vai de 0 a 1 (quanto mais próximo de 1, melhor), sintetiza a relação entre cinco fatores considerados importantes para o desenvolvimento dos centros urbanos: infraestrutura, produtividade econômica, qualidade de vida, inclusão social e sustentabilidade ambiental. Viena, na Áustria, atingiu o maior índice (0,925), bem distante, por exemplo, de Bamako (0,491), em Mali, ou de São Paulo (0,757), única cidade do Brasil na lista da ONU.
Construções sustentáveis
Com 0,890, o quinto melhor índice do indicador, Estocolmo, na Suécia, é uma das cidades que integram o programa do governo, em parceria com a iniciativa privada. Seu nome: SymbioCity. O projeto incentiva o desenvolvimento sustentável do município a partir de uma ideia simples: fazer mais por menos.
Atualmente estão em construção cerca de 11 mil apartamentos próximo ao centro de Estocolmo, todos projetados para serem sustentáveis. Os novos imóveis vão ajudar a reduzir em 25% o consumo de água e em 40% o impacto ambiental na região. Para isso, vão receber placas solares, que produzem a energia que os moradores utilizarão. A água da chuva será captada e usada nos banheiros. O lixo será coletado por sistema de tubos e levado, depois de recolhido, diretamente para a reciclagem ou produção de combustível. Atualmente, 75% dos detritos da cidade já recebem esse tratamento.
Em Estocolmo, outros números ajudam a explicar a boa posição da cidade no indicador da ONU. Cerca 65% dos moradores utilizam o sistema de transporte ferroviário, considerado de baixa emissão de poluentes porque opera com energia renovável. No centro da cidade, todos os ônibus utilizam como combustível o etanol ou biogás. Segundo Jennifer Ekstrom, representante do projeto SymbioCity, a crise do petróleo nos anos 70, levou os suecos a discutirem alternativas de crescimento a partir de energia menos poluente.
- Entre 1996 e 2008, conseguimos reduzir em 18% a emissão de gases poluentes e, ao mesmo tempo, manter o crescimento do PIB que subiu 45% no período - afirma Jennifer.
Também pressionados pelo crescimento das suas cidades, países da América Latina e do Caribe, incluindo o México, deverão encarar o desafio de tornar seus centros urbanos mais sustentáveis num futuro próximo. Em seis décadas, a região ganhou oito megacidades, como São Paulo, Rio de Janeiro, Cidade do México e Lima. E os problemas, como trânsito, poluição, geração de detritos e altos índices de pobreza se acumulam.
A produção diária de lixo na região, por exemplo, chegou a 436 mil toneladas por dia, este ano, o que significa um aumento de 60% em relação a 1995. Naquele ano, a ONU-Habitat registrou 275 mil toneladas diárias. Por outro lado, 180 milhões de pessoas vivem em condições de pobreza (33%). Destes, 13% ainda são indigentes.
Para Tim Campbell, Phd em planejamento urbano pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) e diretor do Urban Age Institute, as políticas de combate à pobreza e geração de emprego devem caminhar juntas com a adoção de medidas que possam mitigar os problemas das grandes cidades dos países em desenvolvimento:
- A meu ver, as cidades brasileiras, assim com as da Índia e da China, iniciaram esse longo processo para se tornarem cidades inteligentes com, por exemplo, a adoção de medidas para conservar seus recursos naturais, bem como a criação de novos sistemas de trânsito. Mas nenhuma cidade pode ser considerada inteligente sem pensar na criação de empregos e na redução da pobreza. Resolver essas questões permitirá que os moradores possam usufruir das melhores tecnologias em trânsito, habitação e infraestrutura.
Usuários passivos
Diretor do Observatório da Sociedade, Governo e Tecnologias da Informação, da Universidade de Externado, na Colombia, Marco Antonio Peres Useche participa de um projeto com mais sete universidades nos Estados Unidos, Ásia e Europa com objetivo de definir o que seria uma cidade inteligente, segundo a realidade de cada região. Para ele, a América Latina e Caribe não podem ser "usuários passivos de tecnologia":
- Acho que a discussão sobre cidades inteligentes não deve ser como é na Europa e em outros países desenvolvidos. Só tecnologia não basta. Penso que ela é menos relevante porque as cidades são espaços de seres humanos, que envolvem questões e os conflitos humanos e suas dificuldades sociais. Na América Latina e Caribe temos questões importantes para serem resolvidas, como a pobreza e a preservação dos recursos naturais.
Apesar da crítica, Useche acredita que há iniciativas importantes no Rio de Janeiro, Medellín e Bogotá que utilizam tecnologia, mas buscam associá-las às demandas locais. Para ele, o Centro de Comando e Controle (COR) inaugurado no Rio, em 2010, tem uma proposta interessante porque reúne todos os órgãos do município para a tomada de decisão. Em Medellín, o governo trabalha desde 2002 num projeto de renovação urbanística, que inclui a preservação de áreas verdes e a recuperação de áreas pobres do município, e que é apontado como uma alternativa de fazer uma cidade inteligente.
Segundo o arquiteto Jorge Pérez Jaramillo, diretor do Instituto de Estudos Metropolitanos e Regionais da Faculdade de Arquitetura da Universidade Bolivariana, com sede Medellín, as mudanças na cidade começaram após uma profunda crise vivida nos anos 90: altos índices de criminalidade, estagnação econômica, desigualdade social entre outros problemas. O saldo foi a mobilização do governo e da sociedade que passaram a discutir medidas para retomar o desenvolvimento. Nesses dez anos, foram construídos, por exemplo, oito parques, novas escolas, 450 edifícios residenciais, novas vias, centros de educação infantil e áreas de convivência.
- Nossa crise gerou uma cidade renovada, com uma cidadania ativa, com esperança no futuro e com novas formas inteligentes de intervenção - explica Jaramillo.
Em Bogotá, o governo iniciou o projeto "Bogotá Humano", que consiste em medidas para incentivar a indústria criativa e a participação. Serão inauguradas áreas tecnológicas, que consistem em ambientes prontos para a instalação das novas empresas. O projeto, estimado em US$ 650 milhões, prevê a criação de Wi-Fi público em parques, praças e corredores culturais. Dez pontos já estão em funcionamento. Cerca de 450 escolas vão ganhar conexão à internet em alta velocidade.
- A educação digital é um direito. Esse direito é uma oportunidade de melhorarmos a gestão da cidade e criarmos oportunidades para os moradores - diz Mauricio Trujillo, diretor do Conselho Distrital de Bogotá.
 
Clima de incerteza marca Conferência das Nações Unidas para Mudanças Climáticas
Segundo observadores que acompanham os debates desde o primeiro dia, o clima de incerteza toma conta dos corredores da conferência.
 
China, Índia e Brasil emitiram mais gás carbônico em 2011, diz pesquisa
Pesquisadores na Grã-Bretanha indicam que China e Índia contribuíram bastante para que o mundo aumentasse em 3,5% as emissões de gás carbônico no ano passado.
 
Impasses e insatisfação marcam primeira semana da COP 18
Países em desenvolvimento e nações industrializadas ainda não conseguiram superar diferenças e nenhuma linha de negociação tem o que apresentar de avanço concreto na Conferência do Clima das Nações Unidas
 
Suécia importa lixo para manter geração de energia limpa
As autoridades suecas também não descartam a ideia de comprar o lixo produzido por países que têm dificuldade no tratamento. A Itália, por exemplo
 
Novo modelo climático Revela "influência humana perceptível"
Novo modelo climático, comparando 20 diferentes modelos de computadores para observações de satélite.
 
A Fiat apresenta seu modelo elétrico 500e 2013 no Salão do Automóvel de Los Angeles!
O novo carro 500e é alimentado por um motor elétrico de 111 cavalos de potência e uma bateria de 24 kWh de lítio-íon
 
Brasileiro desenvolve projeto de prédio autossustentável
Pesquisador desenvolveu metodologia para a criação de prédios autossustentáveis
 
Minicom lança programa de capacitação em TICs
O desafio dos próximos anos é universalizar o acesso à Internet.
 
Como os dados de tecnologia aberta estão transformando relatórios ambientais
Para os jornalistas ambientais ao redor do mundo, a falta de acesso a dados sobre as questões dos oceanos para saneamento pode tornar difícil a informar com precisão sobre projetos e políticas.Mas a tecnologia esta mudando o jogo.
 
Brasil não está preparado para os impactos das mudanças climáticas
Especialistas dizem que país não tem planejamento estratégico para minimizar os efeitos em setores como agricultura, energia e migração regional. Pesquisa mostra o Brasil como o 58º em vulnerabilidade.
 
O início da construção de primeira Fazenda Solar da Arábia Saudita no próximo ano, parte do investimento 109bn
O objetivo que já foi afirmado pela Arábia Saudita é de produzir 41.000 MW de energia solar à rede nacional até 2032.
 
Degelo de solo no hemisfério Norte pode liberar o dobro de carbono na atmosfera
Estudo do Pnuma aponta que liberação de carbono contido na matéria orgânica congelada no permafrost pode amplificar aquecimento global
 
Conferência do Clima das Nações Unidas começa no Catar
A COP 18 precisa definir o futuro do Protocolo de Quioto, estabelecer os fundamentos do próximo tratado climático, estruturar o financiamento de ações de adaptação às consequências do aquecimento global e acelerar a transferência de tecnologias limpa
 
A Ação Climática é a única maneira de acabar com a pobreza, diz Relatório do Banco Mundial
"Nós nunca vamos acabar com a pobreza se não combatermos as alterações climáticas. É um dos maiores desafios individuais para a justiça social de hoje. "
 
Brasil e Holanda assinam acordo de cooperação ambiental
Com a assinatura de uma carta de intenções, os dois países se comprometem a trocar conhecimentos sobre gestão de resíduos e reaproveitamento de lixo
 
Governo Federal lança campanha Brasil Orgânico e Sustentável
Objetivo é promover os produtos sustentáveis da agricultura familiar brasileira durante megaeventos esportivos
 
Bosch e Siemens seguem fora do projeto de energia renovável "Desertec"
A notícia chegou logo após a outra gigante industrial Siemens pronunciar que estava deixando Desertec também, no mês passado.
 
SP2040 traça diretrizes de longo prazo para orientar desenvolvimento sustentável da cidade
Plano, que envolveu mais de 25 mil paulistanos em colaboração direta e por meio de consultas públicas, propõe seis projetos catalisadores – Rios Vivos, Parques Urbanos, Comunidades, Cidade de 30 Minutos, Polos de Oportunidades e Cidade Aberta – para
 
China apresenta resultados de ações para lidar com as mudanças climáticas
O governo chinês divulgou nesta quarta-feira (21) o relatório Políticas e ações para lidar com as mudanças climáticas 2012.
 
Coca-Cola Brasil investirá quase R$ 23 milhões em programas para conservar a floresta
O anúncio está sendo feito durante solenidade na sede da FAS, em Manaus, com a presença do Vice-Presidente de Comunicação e Sustentabilidade da Coca-Cola Brasil, Marco Simões, e do superintendente-geral da Fundação, Virgilio Viana.
 
Estufas gigantes ganham prêmio mundial de arquitetura
Quem é apaixonado por paisagismo e arquitetura não pode deixar de conhecer as megaestufas construídas em Singapura para tornar a cidade mais verde.
 
Exposição Multimídia Amazônia Sustentável é um dos atrativos do Amazontech 2012
Segundo a coordenadora da Exposição Multimídia, Rejane Reis, a exposição apresenta contextos ecológicos, etnias, processo de ocupação, evolução histórica do desenvolvimento econômico e processos produtivos, destacando as oportunidades de uso sustentá
 
Brasil recicla 2,1 milhões de latinhas de alumínio por hora
Em 2011, país bateu recorde de reciclagem de latinhas de alumínio, reaproveitando 98,3% das embalagens de bebidas.
 
Mitigação e adaptação igualmente crítico para a segurança alimentar global
Dois novos relatórios sobre as alterações climáticas e ao fornecimento de alimentos indicam, entre outras coisas, que mais de 18 mil megatons de dióxido de carbono são liberadas na atmosfera anualmente pela agricultura e produção de alimentos.
 
Quadro regulamentar para o armazenamento de carbono
Palestrantes pediram uma mudança para o novo processo de utilização de carvão para minimizar o impacto ambiental
 
Matupi torna-se o principal pólo de devastação do Amazonas
É difícil respirar em Santo Antônio do Matupi, distrito localizado às margens da Rodovia BR-230, a Transamazônica, no município de Manicoré, ao sul do Amazonas.
 
Espanhol defende prioridade para as notícias na internet
O futuro modelo sustentável adotado pelas empresas de comunicação e a relação entre imprensa e sustentabilidade são destaques nos painéis e debates promovidos pela 68ª Assembleia Geral da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP).
 
Escassez de água vai atingir 10 bacias mundiais
O relatório da ONU, publicado recentemente, não traz boas notícias, no que toca ao tema da água.
 
União Europeia monitorará emissões do setor marítimo
A União Europeia (UE) vem sofrendo críticas dos mais diversos países, incluindo Brasil, China e Estados Unidos, desde que anunciou que vai incluir, a partir do ano que vem, empresas aéreas internacionais que utilizem os aeroportos europeus no seu esq
 
O Governo do Vietnã estabeleceu uma iniciativa verde, um esforço para ajudar a reduzir as emissões de gases de efeito estufa.
Relatórios afirmam Vietnã é o primeiro país em desenvolvimento na região da Ásia-Pacífico para criar de forma independente a sua própria estratégia verde, com o objetivo de mudar para uma economia de baixo carbono.
 
Nova "LISTA VERDE" mostra espécies no Caminho para o Sucesso Conservação
O objetivo da "Lista Verde" é destacar as espécies que são partes prósperas de um ecossistema saudável e vai enfatizar que a conservação é mais do que apenas evitar a extinção.
 
Comunidade Indígena, Tingui Botó recebe ações de desenvolvimento sustentável
Formada por 120 famílias a comunidade indígena Tingui Botó, localizada na Zona Rural de Feira Grande, conheceu as ações de desenvolvimento sustentável
 
Coreanos constroem protótipo de casa com mais de 95 soluções sustentáveis
A intenção é que a residência sirva de modelo para construções ecológicas no futuro.
 
A contribuição da Índia na luta contra o aquecimento global
A Índia é uma das economias que mais crescem na Ásia e também uma das que mais contribuem na luta contra as mudanças climáticas, investindo em energia eólica e no uso de pequenos sistemas solares.
 
23 usinas e 74 reatores nucleares têm risco de tsunami
Mais do que as usinas de Fukushima, eles colocaram abaixo a confiança que restava na energia nuclear.
 
Projeto Brasil Orgânico e Sustentável é apresentado na Bahia
A campanha pretende levar esses produtos para as cidades-sede da Copa do Mundo de 2014.
 
Um lápis que se planta e dá vegetais, ervas e flores
Quando está demasiado curto, este lápis pode ser plantado em casa, no escritório ou na sala de aula
       
As estimativas são da Organização das Nações Unidas (ONU). Todos os dias, cerca de 200 mil pessoas passam a morar em áreas urbanas em todo mundo.
 
Por: Fábio Vasconcellos
Fonte:yahoo
Data: 04/12/2012
 
Vida urbana: especialistas apostam na tecnologia da informação