O mais recente relatório do Greenpeace sobre tecnologias alerta para a falta de transparência sobre o consumo de energia elétrica dos prestadores de serviços, apesar da disponibilidade de uma variedade de métricas da indústria, incluindo o famoso PUE. O que está faltando, segundo o Greenpeace são dados que ilustrem o quanto de energia suja está sendo usada, e que fontes de energia limpa as empresas estão escolhendo para alimentar a nuvem. Por isso, a ONG criou o Índice de Energia Limpa. Um índice que se concentra em investimentos recentes e na oferta atual de energia limpa associada a cada um desses investimentos.

O relatório do Greenpeace, "Como a sua nuvem é limpa?", é um relatório completo sobre o abastecimento e o consumo de energia dos data centers de algumas das maiores empresas de tecnologia, e investiga implantações de centros de dados de 14 dos principais players do mercado.

A Índice de Energia Limpa criado pela organização ambiental internacional avalia e compara as pegadas relacionados com a energia de grandes provedores de nuvem e seus respectivos data centers.

Então, como se saíram todos? Aqui estão as principais conclusões listadas no relatório:

Amazon, Apple e Microsoft, empresas que estão expandindo seus data centers rapidamente hoje, ainda dão pouca atenção às fontes de energia e estão confiando pesadamente em energia suja (como carvão e energia nuclear) para alimentar suas nuvens.
Yahoo e Google priorizam o acesso à energia renovável na expansão de suas nuvens.
O Facebook comprometeu-se agora com energia renovável, uma estratégia que começou a sério com a construção de seu data center mais recente, na Suécia, que pode ser totalmente alimentado por energia renovável.
A crescente concentração de investimentos de data centers em locais chave está tendo um impacto significativo sobre a demanda de energia e gestão da rede elétrica.
A Akamai é a primeira empresa de TI a apresentar índices positivos de Eficácia de Uso de Carbono (CUE). Segundo o Greenpreace, a maioria das empresas silenciam sobre CUE.
As tentativas de várias empresas para retratarem suas nuvens como inerentemente "verdes" tem diminuído, persistindo a falta de transparência e métricas muito pobres para medir o desempenho ou o impacto ambiental real.
A colaboração e o compartilhamento de melhores práticas em hardware e software entre os líderes de TI está ajudando a acelerar a implantação de projetos eficientes de TI verde.
Sinais são crescentes de que mais empresas de TI estão começando a adotar uma abordagem proativa em garantir que a sua demanda de energia possa ser atendida com fontes renováveis ​​de energia, importante para a formação do futuro energético do mundo.
A Apple mereceu um capítulo à parte, pouco lisonjeiro. A pontuação da empresa no Índice de Energia Limpa foi 15,3% (para o registro, outras até tiveram notas mais baixas, incluindo Amazon, IBM, Oracle, Microsoft e Salesforce.com), mas a empresa apresentou o maior uso de carvão (55,1%) e também ganhou um D no quesito transparência de energia, um F para implantação de infraestrutura, e Ds para eficiência energética e mitigação de gases de efeito estufa (GEE) e para o uso de energias renováveis.

O Greenpeace questiona até a eficiência energética do novo data center da Apple na Carolina do Norte, supostamente alimentado por energia solar.

Segundo o Greenpeace, este centro de dados na Carolina do Norte só terá 20 megawatts gerados a partir de energia solar, do 100 megawatts que deverá usar. A Apple discorda. Afirma que 60 por cento da energia será entregue no local a partir de uma fazenda solar e células de combustível. Além disso, diz que o Greenpeace errou ao estimar o consumo da instalação de energia. Em um artigo recente na Forbes, um porta-voz da Apple diz que a plena capacidade, a unidade vai consumir cerca de 20 mil megawatts de eletricidade, e não os 100 megawatts estimados pelo Greenpeace.

Dados do Pike Research

Já outro relatório recente sobre data centers verdes, da Pike Research, afirma que a adoção de práticas de sustentabilidade pode limitar o total das emissões de gases de efeito estufa nos data centers em 13% até 2016. O relatório explora as tendências globais, com previsões regionais para o tamanho do mercado e oportunidades.
A eficiência energética dos data centers - e as formas de reduzir suas pegadas de energia - continuam no topo das agendas dos executivos de TI. O aumento do preço da eletricidade, as emissões de gases de efeito estufa, melhorias de TI, computação em nuvem, virtualização, grandes avanços nas técnicas de refrigeração e melhorias em soluções de monitoramento e gestão são todos provocando a necessidade de redução do consumo de energia, de acordo com um comunicado de imprensa emitido pela Pike Research sobre o novo estudo.

A empresa de pesquisas diz que, se as tendências atuais continuarem, as emissões de GEE pelos data centers deverão totalizar o equivalente a 1.326 milhões de toneladas de dióxido de carbono. Mas a adoção de práticas verdes poderia reduzir esse total para 1.156 toneladas, uma diferença de 13%.

"O impulso para os data centers verdes é uma resposta aos requisitos de negócio para reduzir custos em toda a empresa, bem como uma resposta às preocupações ambientais", diretor de pesquisa da Pike Research, Eric Woods. "Dentro do ambiente do data center, os líderes de TI têm um mandato para reduzir o consumo de energia, que por sua vez conduzirem à inovação. Operadores de centros de dados estão explorando novas ideias relacionadas com os modelos de negócios, construção de instalações, layout e design, dinâmica de fluxo de ar, e novas tecnologias de monitoramento e ferramentas de gestão."

Segundo as previsões da Pike Research, data centers verdes oferecem uma oportunidade de mercado anual que excede 45 bilião dólares em todo o mundo até 2016. A região Ásia-Pacífico está projetando ter o maior crescimento de receita em 2016, com uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de pouco menos de 30% entre 2011 e 2016. Um crescimento de receita de dois dígitos também é projetado para a Europa e a América do Norte (CAGRs de quase 27% para ambos os mercados).
 
Novas tecnologias energéticas para futuro
Em três estudos publicados na edição atual da Tecnologia e Inovação - Proceedings, da Academia Nacional de Inventores , inovadores revelam tecnologias criativas que podem mudar as nossas fontes de energia, mudar a nossa utilização de energia e mudar
 
Nanopartículas - fazendo vapor sem ferver a água
Um novo truque poderia reduzir a energia necessária para muitos processos industriais e tornar a energia solar térmica muito mais barata.
 
Pesquisa mostra que podemos alcançar em espécies marinhas exatamente o que já fizemos em espécies de água doce
Biólogos da Universidade da Califórnia San Diego demonstraram pela primeira vez que a alga marinha pode ser tão capaz como a alga de água doce na produção de biocombustíveis.
 
Cambridge Solar Tool
O Mapa mostra para as empresas e proprietários de imóveis o quanto de eletricidade podem ser produzidos...
 
PARQUE VILLA-LOBOS TERÁ USINA DE ENERGIA SOLAR
Projeto pioneiro a ser instalado no parque da zona oeste em julho de 2013 será um experimento para o uso da energia fotovoltaica no abastecimento urbano; a usina vai custar R$ 13,3 milhões e entrará em funcionamento em dezembro do ano que vem
 
Telhas plásticas coloridas e sustentáveis são apresentadas no Amazontech
O plástico, quem diria, está deixando de ser vilão ambiental e se tornando alternativa para projetos de construção sustentável.
 
Seis extraordinários projetos de design, de interesse público são homenageados com prêmios SEED
Sessenta e cinco representantes de 21 países apresentaram seus projetos no International SEED Awards
 
Turbina eólica gigante sobre rodas pode ser instalado em qualquer lugar
É perfeito para gênios do mal, com uma consciência de energia limpa, para criação de suas bases remotas, ou para o apocalipse zumbi pós-vida.
 
Primeira célula solar do mundo construído apenas de carbono
Cientistas da Universidade de Stanford desenvolveram a primeira célula construída apenas de carbono, um material muito mais abundante e barato.
 
Especialista em biodiesel explica como futuras inovações poderão ajudar a perceber o potencial completo de algas biocombustíveis
"Biocombustíveis de algas não estão prontos para o horário nobre", disse o membro do comitê NRC Joel Cuello
 
Resíduos de esgoto são utilizados na indústria de papel e plástico
O esgoto já está sendo transformado em matérias-primas utilizadas por indústrias de papel e de plástico ao redor do mundo, graças a uma inovação.
 
Criada célula solar com uma única molécula
Pesquisadores alemães construíram uma célula solar molecular, formada por uma única proteína fotossintética.
 
Bola transforma chutes em energia
Eles criaram a sOccket, uma bola que tem a capacidade de gerar energia a partir dos chutes dos jogadores.
 
A Sharp desenvolveu painéis solares para janelas e varandas
A Sharp fabricante japonesa, anunciou esta semana a chegada do que espera ser o material de construção mais comum e revolucionário para janelas e painéis solares.
 
Sensores de medida de estresse hídrico em plantas otimizam o manejo da irrigação
A implementação deste novo sistema teria um impacto positivo sobre a eficiência da produtividade do uso da água e a qualidade de produção da indústria de frutas.
 
Energia Eólica de Alta Altitude, um enorme potencial
Uma série de empresas iniciantes estão explorando maneiras de aproveitar a enorme quantidade de energia eólica que flui ao redor da terra, especialmente em altas altitudes.
 
Embalagens sustentáveis vão além da capacidade de reciclar
O ato de projetar produtos em prol da sustentabilidade é tecnicamente possível. Para que isso ocorra são necessárias mudanças de comportamento e alterações nos padrões da sociedade
 
A Siemens desenvolveu as mais eficientes pás eólicas para turbinas, baseada em dinossauros!
No passado vimos turbinas eólicas inspiradas em barbatanas de baleia e espécies de árvores, mas agora os designers estão olhando para espécies animais extintas para criar a próxima geração de turbinas.
 
Sub-pavimentação painéis podem armazenar energia 'invisível'
O produto consiste em painéis ThermaPAVER hidrônicos térmicas localizadas sob lajes comuns, que utilizam a energia do sol para aquecer a água.
 
Silent Falcon
Um avião alimentado por energia solar que é capaz de permanecer no céu por 14 horas
 
Geoengenharia para esfriar a Terra seria menos dispendioso do que o esperado
De acordo com sua pesquisa, combater alguns dos efeitos da mudança do clima poderia custar USD $ 5.000 milhões por ano.
       
As tentativas de várias empresas para retratarem suas nuvens como inerentemente "verdes" tem diminuído, persistindo a falta de transparência e métricas muito pobres para medir o desempenho ou o impacto ambiental real
 
Por: Beth Bacheldor, ItWorld/EUA
Fonte:CIO
Data: 28/11/2012
 
Greenpeace questiona o verde das nuvens