As imagens dos deslizamentos de terra causados por fortes chuvas e que deixaram centenas de mortos na região serrana do Rio de Janeiro, no início de 2011, ou dos refugiados da seca no Nordeste estão firmes na cabeça de muitos brasileiros. Mas esses são apenas dois dos vários exemplos dos impactos das mudanças climáticas no Brasil. Muitas vezes, os efeitos delas são ainda piores por causa da falta de estrutura das cidades brasileiras.
"O Brasil não está totalmente preparado para as mudanças climáticas e seus impactos. Os pontos fracos do Brasil estão relacionados à sua infraestrutura e ao fato de ser um país de enorme extensão e com uma grande população pobre", frisa o cientista-chefe do Instituto de Adaptação Global (GAIN, em inglês), Ian Noble. Uma recente pesquisa do instituto mostrou que, no quesito vulnerabilidade, o Brasil está na 58ª posição entre 176 países.
Segundo os cientistas, cada região brasileira sofre de forma diferente com os impactos das mudanças climáticas. No Sul e no Sudeste, o maior problema são as chuvas cada vez mais intensas – e, com elas, os perigos cada vez maiores para as pessoas que vivem em encostas. Já o Centro-Oeste e principalmente o Nordeste vão passar por secas cada vez mais frequentes. No Centro-Oeste, algumas regiões de savana deverão virar caatinga. Já partes da floresta tropical úmida da Amazônia deverão se converter em serrado e savana.
Agricultura, energia e migração
A agricultura é o setor econômico mais vulnerável às condições climáticas. As temperaturas mais altas e a variação do regime de chuvas podem obrigar uma série de culturas – como arroz, café, soja e milho – a se deslocar para áreas onde as condições climáticas sejam mais favoráveis. "Isso gera transtornos para a economia e o setor agrícola”, comenta Saulo Rodrigues Filho, diretor do Centro de Desenvolvimento Sustentável (CDS) da Universidade de Brasília (UnB).
O setor energético brasileiro também é vulnerável, pois depende do regime de chuvas e das hidrelétricas. Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), o nível dos reservatórios é o menor em dez anos e caiu para menos da metade nas principais hidrelétricas do país, o que cria o risco de apagões.
O governo federal responde com medidas de curto prazo, como a queima de petróleo para produzir eletricidade. "O governo brasileiro não entende o atual problema como uma vulnerabilidade do setor energético diante das mudanças climáticas", afirma Cláudio Szlafszstein, do núcleo de meio ambiente da Universidade Federal do Pará (UFPA).
Quanto à migração regional, o agravamento das adversidades climáticas poderá fazer ressurgir os refugiados do clima, principalmente na região Nordeste. "As condições climáticas do semiárido nordestino poderão ficar mais adversas e, com isso, deve haver um grande fluxo migratório", afirmou Saulo Filho.
Szlafszstein lembra que o Brasil vivencia o problema da migração interna da população por fatores climáticos há muito tempo, principalmente a nordestina por causa da seca. "Enquanto estudiosos e a ONU usam o termo 'migrações climáticas', no Brasil a seca e seus impactos são tidos como problemas crônicos", comenta.
Avanços?
O pesquisador Saulo Filho, da UnB, avalia que o governo brasileiro avançou no combate às mudanças climáticas com a adoção de medidas e de políticas em sintonia com o que a ciência diz ser necessário para minimizar os impactos. Um passo importante foi o fato de o Brasil ter apresentado uma redução voluntária na emissão de gases do efeito estufa, não prevista no protocolo de Kyoto, na Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas realizada em 2009 em Copenhage.
Outra ação importante foi implementada também em 2009, com a criação da Política Nacional de Mudanças Climáticas, que visa elaborar planos contra os impactos das mudanças climáticas para diversos setores da economia.
"São avanços importantes, o Brasil caminhou na direção certa. Mas seria preciso muito mais do que isso no que diz respeito à adaptação e ao combate à vulnerabilidade. Nesses pontos, ainda temos muito por fazer", afirma Saulo Filho.
Szlafszstein diz que o governo brasileiro não tem um planejamento estratégico para diminuir os impactos das mudanças climáticas. "Há numerosas intenções e propostas, mas elas se destacam por serem isoladas, com escasso nível de implementação, e por serem orientadas para diminuir as emissões de gases-estufa, com pouca atenção para a adaptação aos impactos das mudanças climáticas."
Além disso, o discurso de preocupação com as questões ambientais é acompanhado por políticas que vão no sentido contrário, como o incentivo à produção de automóveis e à extração de petróleo.
Sistema de alerta
A tragédia na região serrana do Rio de Janeiro, em janeiro de 2011, é considerado o maior desastre climático do Brasil. Na época, mais de 900 pessoas morreram por causa dos deslizamentos, que deixaram milhares de desabrigados.
Para evitar novas tragédias, o governo federal criou em dezembro de 2011 o Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais (Cemaden). O objetivo do centro de pesquisa é alertar, com até duas horas de antecedência, sobre o risco de deslizamentos de encostas.
De acordo com Carlos Nobre, secretário de políticas e programas de pesquisa e desenvolvimento do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), o governo tem a meta – ambiciosa, segundo ele – de diminuir o número de mortos, feridos, desabrigados e desalojados em 80% nos próximos anos. "Com o sistema de alerta, a Defesa Civil pode conduzir um processo organizado de evacuação dos moradores, que podem ir para um lugar seguro. O sistema elabora, diariamente, alertas para todo o país", diz Nobre.
 
O início da construção de primeira Fazenda Solar da Arábia Saudita no próximo ano, parte do investimento 109bn
O objetivo que já foi afirmado pela Arábia Saudita é de produzir 41.000 MW de energia solar à rede nacional até 2032.
 
Degelo de solo no hemisfério Norte pode liberar o dobro de carbono na atmosfera
Estudo do Pnuma aponta que liberação de carbono contido na matéria orgânica congelada no permafrost pode amplificar aquecimento global
 
Conferência do Clima das Nações Unidas começa no Catar
A COP 18 precisa definir o futuro do Protocolo de Quioto, estabelecer os fundamentos do próximo tratado climático, estruturar o financiamento de ações de adaptação às consequências do aquecimento global e acelerar a transferência de tecnologias limpa
 
A Ação Climática é a única maneira de acabar com a pobreza, diz Relatório do Banco Mundial
"Nós nunca vamos acabar com a pobreza se não combatermos as alterações climáticas. É um dos maiores desafios individuais para a justiça social de hoje. "
 
Brasil e Holanda assinam acordo de cooperação ambiental
Com a assinatura de uma carta de intenções, os dois países se comprometem a trocar conhecimentos sobre gestão de resíduos e reaproveitamento de lixo
 
Governo Federal lança campanha Brasil Orgânico e Sustentável
Objetivo é promover os produtos sustentáveis da agricultura familiar brasileira durante megaeventos esportivos
 
Bosch e Siemens seguem fora do projeto de energia renovável "Desertec"
A notícia chegou logo após a outra gigante industrial Siemens pronunciar que estava deixando Desertec também, no mês passado.
 
SP2040 traça diretrizes de longo prazo para orientar desenvolvimento sustentável da cidade
Plano, que envolveu mais de 25 mil paulistanos em colaboração direta e por meio de consultas públicas, propõe seis projetos catalisadores – Rios Vivos, Parques Urbanos, Comunidades, Cidade de 30 Minutos, Polos de Oportunidades e Cidade Aberta – para
 
China apresenta resultados de ações para lidar com as mudanças climáticas
O governo chinês divulgou nesta quarta-feira (21) o relatório Políticas e ações para lidar com as mudanças climáticas 2012.
 
Coca-Cola Brasil investirá quase R$ 23 milhões em programas para conservar a floresta
O anúncio está sendo feito durante solenidade na sede da FAS, em Manaus, com a presença do Vice-Presidente de Comunicação e Sustentabilidade da Coca-Cola Brasil, Marco Simões, e do superintendente-geral da Fundação, Virgilio Viana.
 
Estufas gigantes ganham prêmio mundial de arquitetura
Quem é apaixonado por paisagismo e arquitetura não pode deixar de conhecer as megaestufas construídas em Singapura para tornar a cidade mais verde.
 
Exposição Multimídia Amazônia Sustentável é um dos atrativos do Amazontech 2012
Segundo a coordenadora da Exposição Multimídia, Rejane Reis, a exposição apresenta contextos ecológicos, etnias, processo de ocupação, evolução histórica do desenvolvimento econômico e processos produtivos, destacando as oportunidades de uso sustentá
 
Brasil recicla 2,1 milhões de latinhas de alumínio por hora
Em 2011, país bateu recorde de reciclagem de latinhas de alumínio, reaproveitando 98,3% das embalagens de bebidas.
 
Mitigação e adaptação igualmente crítico para a segurança alimentar global
Dois novos relatórios sobre as alterações climáticas e ao fornecimento de alimentos indicam, entre outras coisas, que mais de 18 mil megatons de dióxido de carbono são liberadas na atmosfera anualmente pela agricultura e produção de alimentos.
 
Quadro regulamentar para o armazenamento de carbono
Palestrantes pediram uma mudança para o novo processo de utilização de carvão para minimizar o impacto ambiental
 
Matupi torna-se o principal pólo de devastação do Amazonas
É difícil respirar em Santo Antônio do Matupi, distrito localizado às margens da Rodovia BR-230, a Transamazônica, no município de Manicoré, ao sul do Amazonas.
 
Espanhol defende prioridade para as notícias na internet
O futuro modelo sustentável adotado pelas empresas de comunicação e a relação entre imprensa e sustentabilidade são destaques nos painéis e debates promovidos pela 68ª Assembleia Geral da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP).
 
Escassez de água vai atingir 10 bacias mundiais
O relatório da ONU, publicado recentemente, não traz boas notícias, no que toca ao tema da água.
 
União Europeia monitorará emissões do setor marítimo
A União Europeia (UE) vem sofrendo críticas dos mais diversos países, incluindo Brasil, China e Estados Unidos, desde que anunciou que vai incluir, a partir do ano que vem, empresas aéreas internacionais que utilizem os aeroportos europeus no seu esq
 
O Governo do Vietnã estabeleceu uma iniciativa verde, um esforço para ajudar a reduzir as emissões de gases de efeito estufa.
Relatórios afirmam Vietnã é o primeiro país em desenvolvimento na região da Ásia-Pacífico para criar de forma independente a sua própria estratégia verde, com o objetivo de mudar para uma economia de baixo carbono.
 
Nova "LISTA VERDE" mostra espécies no Caminho para o Sucesso Conservação
O objetivo da "Lista Verde" é destacar as espécies que são partes prósperas de um ecossistema saudável e vai enfatizar que a conservação é mais do que apenas evitar a extinção.
 
Comunidade Indígena, Tingui Botó recebe ações de desenvolvimento sustentável
Formada por 120 famílias a comunidade indígena Tingui Botó, localizada na Zona Rural de Feira Grande, conheceu as ações de desenvolvimento sustentável
 
Coreanos constroem protótipo de casa com mais de 95 soluções sustentáveis
A intenção é que a residência sirva de modelo para construções ecológicas no futuro.
 
A contribuição da Índia na luta contra o aquecimento global
A Índia é uma das economias que mais crescem na Ásia e também uma das que mais contribuem na luta contra as mudanças climáticas, investindo em energia eólica e no uso de pequenos sistemas solares.
 
23 usinas e 74 reatores nucleares têm risco de tsunami
Mais do que as usinas de Fukushima, eles colocaram abaixo a confiança que restava na energia nuclear.
 
Projeto Brasil Orgânico e Sustentável é apresentado na Bahia
A campanha pretende levar esses produtos para as cidades-sede da Copa do Mundo de 2014.
 
Um lápis que se planta e dá vegetais, ervas e flores
Quando está demasiado curto, este lápis pode ser plantado em casa, no escritório ou na sala de aula
       
Especialistas dizem que país não tem planejamento estratégico para minimizar os efeitos em setores como agricultura, energia e migração regional. Pesquisa mostra o Brasil como o 58º em vulnerabilidade.
 
Por: Fernando Caulyt
Fonte:DW
Data: 27/11/2012
 
Brasil não está preparado para os impactos das mudanças climáticas