Com o propósito de reforçar os projetos de sustentabilidade da empresa e estimular práticas de preservação dos recursos naturais entre seus fornecedores e concessionárias, Volkswagen do Brasil decidiu há cerca de dois anos adotar dois softwares para gerenciar e controlar os impactos ambientes na produção de automóveis nas quatro unidades fabris que mantém no país — a fábrica de veículos, motores e câmbio em São Bernardo do Campo, na via Anchieta, a de motores em São Carlos e a de veículos em Taubaté, todas em São Paulo, além da fábrica de veículos em São José dos Pinhais, no Paraná.

Na realidade, os projetos começaram bem antes, em 2008, quando a montadora delineou o programa conhecido por Mach 18, que visa levar a corporação à liderança global em 2018. Na época, a Volkswagen do Brasil definiu a sustentabilidade como princípio de gestão e estabeleceu os objetivos estratégicos e indicadores visando a economia de água, energia elétrica, gás natural, reciclagem de resíduos, emissões atmosféricas e de solventes.

O ponto de partida do projeto de sustentabilidade auxiliada por software, conforme conta o diretor de engenharia de manufatura da Volkswagen do Brasil, Celso Placeres, foi a adoção do conceito de fábrica digital, que integra ferramentas que possibilitam avaliação mais precisa do trabalho a ser executado e, principalmente, a simulação dos processos antes de serem implementados no chão de fábrica. De acordo com o executivo, a fábrica digital proporcionou a padronização e controle das informações, redução de tempo e custo de instalação, permitiu a antecipação de futuros problemas e o planejamento sustentável.

A montadora implantou o software de gerenciamento de sustentabilidade SoFi e de análise do ciclo de vida no processo industrial GaBi, ambos da fabricante alemã PE International. Placeres explica que SoFi permite administrar dados sobre as emissões de gases de efeito estufa e preparar futuros relatórios ambientais. Segundo ele, o software ajuda a Volkswagen a melhorar continuamente a gestão de informações, reduzindo ainda mais suas emissões e minimizando possíveis impactos ambientais. “O cálculo das emissões realizado por meio do SoFi é abrangente, pois considera todos os processos da empresa, desde a produção a operações de escritórios e até mesmo viagens a trabalho.”

Já o GaBi, explica Placeres possibilita a avaliação completa de uma nova instalação ou processo industrial, antes de sua implantação. Dessa forma, é possível trabalhar preventivamente, minimizando os impactos ambientais. O software calcula todos os potenciais de impacto ambiental da nova atividade operacional, além das emissões geradas a partir de processos agregados. Além disso, por meio da interpretação e da análise crítica detalhada dos resultados do GaBi é possível apontar qual é o processo industrial mais adequado em termos ambientais.

Além dos softwares, o executivo ressalta que diversas ações foram desenvolvidas pela montadora para garantir que os recursos naturais sejam utilizados com eficiência. Nos escritórios e nas áreas produtivas, um dos destaques é o uso da iluminação natural em grande escala, o que contribui para a redução do consumo de energia e para a melhoria do conforto visual e do bem-estar dos empregados. A unidade de São José dos Pinhais, por exemplo, já nasceu com o conceito de escritórios com base na gestão sustentável, privilegiando a incidência da iluminação natural.

O programa de sustentabilidade, ressalta Placeres, inclui também a produção de veículos BlueMotion, com índices reduzidos de consumo e de emissões de poluentes, e as iniciativas e soluções em favor do meio ambiente com o conceito Think Blue. Este conceito, segundo ele, foi apresentado pela primeira vez no Brasil na Rio+20, o qual incorpora o objetivo da Volkswagen de criar soluções e produtos ambientalmente responsáveis.

Entre as ações implementadas para reduzir as emissões atmosféricas, a fábrica de São José dos Pinhais, que produz os modelos Volkswagen Fox, CrossFox, SpaceFox e Golf, desenvolveu um sistema para o uso de tinta à base de água na pintura de automóveis. A montadora investiu cerca de R$ 450 milhões para implantação do mesmo processo de pintura na fábrica de Taubaté. Além disso, em 2010, ela inaugurou sua primeira PCH (Pequena Central Hidrelétrica), a Anhanguera, e já anunciou a construção de sua segunda usina, a PCH Monjolinho, com inauguração prevista para 2014. Juntas, as duas centrais serão capazes de gerar 40% da energia utilizada pela Volkswagen do Brasil, localizada no rio Sapucaí-Mirim, entre as cidades de São Joaquim da Barra e Guará, no estado de São Paulo.

De acordo com Placeres, os resultados dos projetos são bastante palpáveis. Somente com consumo de energia elétrica, houve uma economia de 26% no período de 2008 a 2011. O índice de reciclagem de resíduos, por exemplo, atingiu 93,5%, no mesmo período, e o de emissões atmosféricas alcançou 16,2%. A emissão de solventes teve uma redução de 22,13% e a economia de água atingiu 25%.

O estudo de caso foi apresentado nesta terça-feira, 30, do Forum Green Tech, em São Paulo, evento promovido pela revista TI INSIDE e organizado pela Converge Comunicações.
 
Um aplicativo para dizer se há ingredientes geneticamente modificados em sua comida
Não há leis que dizem que as empresas têm de mostrar se estão usando ingredientes geneticamente modificados.
 
Hope lança linha de lingerie sustentável
Com Juliana Paes como garota-propaganda, a Hope lançou sua primeira linha de lingerie dentro dos padrões ecologicamente corretos.
 
Coca-cola e a Investe São Paulo anunciam a construção da maior fábrica mundial de produção de biomeg
O principal ingrediente das embalagens PlantBottle – primeira garrafa PET reciclável feita parcialmente de origem vegetal.
 
Sustentabilidade Empresarial, em números
Quem está acima, Quem esta abaixo, Quem se importa?
 
Petrobras integra Índice Dow Jones de Sustentabilidade pelo sétimo ano seguido
A estatal brasileira recebeu, pela sexta vez, a nota máxima no critério "transparência"
 
Itaúsa e o Itaú Unibanco compõem novamente o Dow Jones Sustainability World Index 2012/2013 (DJSI)
A nova carteira é composta por 340 empresas de 30 países das Américas, Europa, Ásia, África e Oceania, das quais apenas 9 empresas brasileiras, incluindo a Redecard S.A. e a Duratex S.A.
 
Water Discus Hotels
Deep Ocean Technology anuncia planos para construir cadeia mundial de "Water Discus Hotels"
 
Aprovada redução de carga tributária para produtos feitos com material reciclado
Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado aprovou proposta de emenda à Constituição (PEC) que elimina impostos de produtos feitos com material reciclado ou reaproveitado
 
Bayer expõe programa para construções sustentáveis durante Greenbuilding Brasil
A Bayer lidera uma “cadeia verde”, composta por representantes de todas as etapas do processo de construção
 
Empresas brasileiras reduzem nível de emissão de gases
Divulgado no relatório do Programa Brasileiro do Protocolo PGH, divulgado pelo Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces).
 
Aditivo ao Protocolo Verde dará mais efetividade aos princípios de sustentabilidade
Protocolo Verde aos termos dos Princípios para a Sustentabilidade em Seguros (PSI, sigla em inglês), será criada uma comissão especial para propor ações e acompanhar sua consecução.
 
BRIQUETE É USADO COMO FONTE DE ENERGIA SUSTENTÁVEL
O material é feito a partir de biomassas como a casca de arroz, bagaço e sementes de uva, bagaço de cana, serragem de pinus e de eucalipto, casca de babaçu e de café, resíduos de couro e de casca de amendoim.
       
A montadora implantou o software de gerenciamento de sustentabilidade SoFi e de análise do ciclo de vida no processo industrial GaBi, ambos da fabricante alemã PE International.
 
Por: Erivelto Tadeu
Fonte: Tiinside
Data:
 
Volkswagen implanta projeto de sustentabilidade auxiliada por software e reduz emissões